Study your flashcards anywhere!

Download the official Cram app for free >

  • Shuffle
    Toggle On
    Toggle Off
  • Alphabetize
    Toggle On
    Toggle Off
  • Front First
    Toggle On
    Toggle Off
  • Both Sides
    Toggle On
    Toggle Off
  • Read
    Toggle On
    Toggle Off
Reading...
Front

How to study your flashcards.

Right/Left arrow keys: Navigate between flashcards.right arrow keyleft arrow key

Up/Down arrow keys: Flip the card between the front and back.down keyup key

H key: Show hint (3rd side).h key

A key: Read text to speech.a key

image

Play button

image

Play button

image

Progress

1/329

Click to flip

329 Cards in this Set

  • Front
  • Back
"Colhemos frutos, jogamos bola" é um período composto por coordenação sindética.
FALSO

é assindética
"Bem depressa chegou o trem; despedimo-nos sem demora" é um período composto por coordenação assindética.
VERDADEIRO
"Os dois anos de serviço acabaram em 1855, e o escravo ficou livre, mas continuou o ofício." é um período composto por cooredenação assindética.
FALSO

é sindética
"Dormi tarde, mas acordei cedo." é um período composto por coordenação assindética.
FALSO

é sindética
"Fui bem em física, mas não acertei nada de Química." é um período composto por coordenação sindética.
VERDADEIRO
No período "Não só chorou mas também bateu o pé", há oração subordinada concessiva.
FALSO
No período "Não só chorou mas também bateu o pé", há oração subordinada comparativa.
FALSO
No período "Não só chorou mas também bateu o pé", há oração coordenada alternativa.
FALSO
No período "Não só chorou mas também bateu o pé", há oração coordenada aditiva.
VERDADEIRO
No período "Não só chorou mas também bateu o pé", há oração coordenada adversativa.
FALSO
No período simples, a oração é chamada simples.
FALSO
No período simples, a oração é chamada sindética.
FALSO
No período simples, a oração é chamada absoluta.
VERDADEIRO
No período simples, a oração é chamada assindética.
FALSO
No período simples, a oração é chamada principal.
FALSO
Em "Cansam, ajudam a seu modo aquilo que imputamos à indiscrição alheia" aparecem duas orações subordinadas coordenadas entre si.
FALSO
Em "Vexados da grande luz, eles a princípio andam de ouvido em ouvido." aparecem duas orações subordinadas coordenadas entre si.
FALSO
Em "A mocidade pula por cima da adolescência, e eles aparecem fortes e derramados, abatidos como gazetas" aparecem duas orações subordinadas coordenadas entre si.
FALSO
Em "Só uma vez escapou de morrer primeiro, e inventou uma anedota napolitana" aparecem duas orações subordinadas coordenadas entre si.
FALSO
Em "enfim, se a velhice chega e eles não se vezam dos cabelos brancos, tomam conta do mundo..." aparecem duas orações subordinadas coordenadas entre si.
VERDADEIRO
"Os ilhais da fera arfam de fadiga e a espuma franja-lhe a boca, as pernas vergam e resvalam e os olhos amortecem de cansaço. (R. da Silva)" é um período composto por subordinação.
FALSO
"Os ilhais da fera arfam de fadiga e a espuma franja-lhe a boca, as pernas vergam e resvalam e os olhos amortecem de cansaço. (R. da Silva)" é um período simples.
FALSO
"Os ilhais da fera arfam de fadiga e a espuma franja-lhe a boca, as pernas vergam e resvalam e os olhos amortecem de cansaço. (R. da Silva)" é um período composto por coordenação e subordinação.
FALSO
"Os ilhais da fera arfam de fadiga e a espuma franja-lhe a boca, as pernas vergam e resvalam e os olhos amortecem de cansaço. (R. da Silva)" é um período composto por coordenação.
VERDADEIRO
"Um rugido tremendo, uma aclamação imensa do anfiteatro inteiro e as vozes triunfais das trombetas e charamelas encerraram esta sorte brilhante..." há uma oração, absoluta.
VERDADEIRO
"Um rugido tremendo, uma aclamação imensa do anfiteatro inteiro e as vozes triunfais das trombetas e charamelas encerraram esta sorte brilhante..." há duas orações coordenadas.
FALSO
"Um rugido tremendo, uma aclamação imensa do anfiteatro inteiro e as vozes triunfais das trombetas e charamelas encerraram esta sorte brilhante..." há três orações coordenadas.
FALSO
"Um rugido tremendo, uma aclamação imensa do anfiteatro inteiro e as vozes triunfais das trombetas e charamelas encerraram esta sorte brilhante..." há quatro horações, três com predicado oculto.
FALSO
"Um rugido tremendo, uma aclamação imensa do anfiteatro inteiro e as vozes triunfais das trombetas e charamelas encerraram esta sorte brilhante..." há uma oração coordenada assindética.
FALSO
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Conquanto fosse rico, não dava esmolas a ninguém"
C
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Assim que chegar ao Rio de Janeiro, escreverei."
E
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Por mais que ele estudasse, não conseguia ser aprovado."
C
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Como o time jogava muito mal, os torcedores o vaiavam."
B
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Se todos comparecerem, darei matéria nova."
A
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

Se todos compareceram, darei matéria nova."
B
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Quando o testamento foi aberto, Rubião quase caiu para trás (M. Assis)"
E
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Andava apressadamente como se estivesse atrasado."
A
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Por menos curioso que seja, haverá de ler o aviso."
C
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Ela era tão medrosa que não saía de casa."
D
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Uma vez que não dissesse o nome de ninguém, podia confessar que era um negócio íntimo."
B
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"A felicidade morava tão vizinha que de tolo até pensei que fosse minha (C. B. Hollanda)"
D
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Se tudo for bem feito, sairemos mais cedo."
A
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Se o Brasil depende do trabalho de todos, então é preciso que nosso nacionalismo seja produtivo."
B
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Como Rubião falasse das bonitas rosas que possuía, ele pediu-lhe licença para ir vê-las. (M. Assis)"
B
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Também podes ver que o nosso Rubião, se gosta mais do Freitas, tem o outro em melhor consideração. (M. Assis)"
C
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Farei o trabalho, nem que isso me ocupe toda a tarde."
C
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Poucos freqüentam o teatro, de sorte que os artistas estão em dificuldades."
D
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Ninguém te convocará para depor, a não ser que o queiras."'
A
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Se a luta o desgastava, não lhe tirava o sono."
C
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Como não me perguntaram nada, nada disse."
B
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Diziam tantas coisas ao mesmo tempo, que fiquei tonto."
D
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"O nordestino crê na vida, apesar de sofrer a inclemência da seca."
C
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Quando um estrangeiro saudoso regressa à pátria e procura o Largo da Sé, encontra no lugar a Praça da Sé."
E
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial condicional
B - uma oração adverbial causal
C - uma oração adverbial concessiva
D - uma oração adverbial consecutiva
E - uma oração adverbial temporal

"Sua tristeza era tal que a todos comovia."
D
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial conformativa
B - uma oração adverbial comparativa
C - uma oração adverbial final
D - uma oração adverbial proporcional

"Quanto mais se agitava, mais preso na rede ficava."
D
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial conformativa
B - uma oração adverbial comparativa
C - uma oração adverbial final
D - uma oração adverbial proporcional

"A fim de que pudesse passar na prova, o candidato leu todos os livros."
C
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial conformativa
B - uma oração adverbial comparativa
C - uma oração adverbial final
D - uma oração adverbial proporcional

"Devemos ficar unidos, a fim de que possamos vencer os obstáculos."
CC
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial conformativa
B - uma oração adverbial comparativa
C - uma oração adverbial final
D - uma oração adverbial proporcional

"Não a façamos mais santa do que é. (M. Assis)"
B
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial conformativa
B - uma oração adverbial comparativa
C - uma oração adverbial final
D - uma oração adverbial proporcional

"Ela não agiu como havia prometido."
A
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial conformativa
B - uma oração adverbial comparativa
C - uma oração adverbial final
D - uma oração adverbial proporcional

"Ela era magra e comprida como um coqueiro da Bahia."
B
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial conformativa
B - uma oração adverbial comparativa
C - uma oração adverbial final
D - uma oração adverbial proporcional

"Fiz o que pude para que meus amigos ficassem em boa situação."
C
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial conformativa
B - uma oração adverbial comparativa
C - uma oração adverbial final
D - uma oração adverbial proporcional

"Meu coração não é maior do que o mundo."
B
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial conformativa
B - uma oração adverbial comparativa
C - uma oração adverbial final
D - uma oração adverbial proporcional

"Antes de ser político, prezo-me de ser cristão."
B
A oração abaixo é:
A - uma oração adverbial conformativa
B - uma oração adverbial comparativa
C - uma oração adverbial final
D - uma oração adverbial proporcional

"Está realmente encantado com tudo, como se disse ontem."
A
"Sem dúvida as árvores se despojaram e enegreceram, o açude estancou, as porteiras dos currais de abriram, inúteis. (G. Ramos)" A oração é coordenada sindética aditiva.
FALSO
"Sem dúvida as árvores se despojaram e enegreceram, o açude estancou, as porteiras dos currais de abriram, inúteis. (G. Ramos)" A oração é coordenada sindética adversativa.
FALSO
"Sem dúvida as árvores se despojaram e enegreceram, o açude estancou, as porteiras dos currais de abriram, inúteis. (G. Ramos)" A oração é coordenada sindética conclusiva.
FALSO
"Sem dúvida as árvores se despojaram e enegreceram, o açude estancou, as porteiras dos currais de abriram, inúteis. (G. Ramos)" A oração é coordenada assindética
VERDADEIRO
A oração "Que saibam, não creio; mas desconfiam" é coordenada sindética adversativa.
VERDADEIRO
A oração "Que saibam, não creio; mas desconfiam" é coordenada sindética explicativa.
FALSO
A oração "Que saibam, não creio; mas desconfiam" é coordenada sindética conclusiva.
FALSO
A oração "Que saibam, não creio; mas desconfiam" é coordenada sindética aditiva
FALSO
A oração "Que saibam, não creio; mas desconfiam" é coordenada assindética
FALSO
A oração reduzida está corretamente desenvolvida em ambas as alternativas abaixo:

- Mesmo correndo muito, não alcançarás o expresso da meia-noite.
- Se correres muito, não alcançarás o expresso da meia-noite.
FALSO
A oração reduzida está corretamente desenvolvida em ambas as alternativas abaixo:

- Assentando-te aqui, não verás os jogadores.
- Se te assentares aqui, não verás os jogadores.
VERDADEIRO
A oração reduzida está corretamente desenvolvida em ambas as alternativas abaixo:

- Estando ela de bom humor, a noite era das melhores.
- Quando ela estava de bom humor, a noite era das melhores.
VERDADEIRO
A oração reduzida está corretamente desenvolvida em ambas as alternativas abaixo:

- Chegando a seca, não se colheria um só fruto.
- Quando chegasse a seca, não se colheria um só fruto.
VERDADEIRO
A oração reduzida está corretamente desenvolvida em ambas as alternativas abaixo:

- No princípio, querendo impor-se, adotava atitudes postiças.
- No princípio, poque queria impor-se, adotava atitudes postiças.
VERDADEIRO
Nos períodos "Mesmo sem jogar bem, a defesa não comprometeu a reputação do quadro brasileiro / Sem jogar bem, a seleção estará sujeita a veveses comprometedores. / A Seleção venceu compromissos fáceis sem jogar bem", as orações indicam, respectivamente, idéia de causa, condição e tempo.
FALSO
Nos períodos "Mesmo sem jogar bem, a defesa não comprometeu a reputação do quadro brasileiro / Sem jogar bem, a seleção estará sujeita a veveses comprometedores. / A Seleção venceu compromissos fáceis sem jogar bem", as orações indicam, respectivamente, idéia de proporção, concesão e conseqüência.
FALSO
Nos períodos "Mesmo sem jogar bem, a defesa não comprometeu a reputação do quadro brasileiro / Sem jogar bem, a seleção estará sujeita a veveses comprometedores. / A Seleção venceu compromissos fáceis sem jogar bem", as orações indicam, respectivamente, idéia de concessão, modo e conseqüência.
FALSO
Nos períodos "Mesmo sem jogar bem, a defesa não comprometeu a reputação do quadro brasileiro / Sem jogar bem, a seleção estará sujeita a veveses comprometedores. / A Seleção venceu compromissos fáceis sem jogar bem", as orações indicam, respectivamente, idéia de concessão, condição e modo.
VERDADEIRO
Na frase "Partindo logo pela manhã, conseguiu realizar satisfatoriamente suas tarefas", a oração subordinada indica idéia de causa.
VERDADEIRO
Na frase "Partindo logo pela manhã, conseguiu realizar satisfatoriamente suas tarefas", a oração subordinada indica idéia de concessão.
FALSO
Na frase "Partindo logo pela manhã, conseguiu realizar satisfatoriamente suas tarefas", a oração subordinada indica idéia de modo.
FALSO
Na frase "Partindo logo pela manhã, conseguiu realizar satisfatoriamente suas tarefas", a oração subordinada indica idéia de condição.
FALSO
Na frase "Partindo logo pela manhã, conseguiu realizar satisfatoriamente suas tarefas", a oração subordinada indica idéia de tempo.
FALSO
Na frase "Tenho esperança de seres aprovado", encontra-se uma oração reduzida de infinitivo, substantiva direta.
FALSO
Na frase "Ao chegar, o candidato foi ovacionado", encontra-se uma oração reduzida de infinitivo, substantiva direta.
FALSO
Na frase "Nada me impede de ir agora", encontra-se uma oração reduzida de infinitivo, substantiva direta.
FALSO
Na frase "Recomendo-te seres paciente", encontra-se uma oração reduzida de infinitivo, substantiva direta.
VERDADEIRO
"Sem estudar, você será reprovado" é uma oração reduzida de infinitivo, concessiva.
FALSO
"Sem estudar, você será reprovado" é uma oração reduzida de infinitivo, conformativa.
FALSO
"Sem estudar, você será reprovado" é uma oração reduzida de infinitivo, condicional.
VERDADEIRO
"Sem estudar, você será reprovado" é uma oração subordinada adverbial causal.
FALSO
"Sem estudar, você será reprovado" é uma oração subordinada adverbial temporal.
FALSO
Em "Ao vê-lo retornar cedo para casa, a mãe ficou certa de que havia acontecido o que ela previa.", o pronome "lo" é sujeito do infinitivo "retornar".
VERDADEIRO
Em "Ao vê-lo retornar cedo para casa, a mãe ficou certa de que havia acontecido o que ela previa.", o texto apresenta dois pronomes substantivos.
FALSO
Em "Ao vê-lo retornar cedo para casa, a mãe ficou certa de que havia acontecido o que ela previa.", o texto apresenta uma oração adverbial, reduzida de infinitivo.
VERDADEIRO
Em "Ao vê-lo retornar cedo para casa, a mãe ficou certa de que havia acontecido o que ela previa.", o texto apresenta duas orações substantivos.
VERDADEIRO
Em "Ao vê-lo retornar cedo para casa, a mãe ficou certa de que havia acontecido o que ela previa.", o texto apresenta uma oração adjetiva, iniciada por um "ue" com função de objeto direto.
VERDADEIRO
A oração "sabendo que seria preso, ainda assim saiu à rua." é reduzida de gerúndio, conformativa.
FALSO
A oração "sabendo que seria preso, ainda assim saiu à rua." é subordinada adverbial condicional.
FALSO
A oração "sabendo que seria preso, ainda assim saiu à rua." é subordinada adverbial causal.
FALSO
A oração "sabendo que seria preso, ainda assim saiu à rua." é reduzida de gerúndio, concessiva.
VERDADEIRO
A oração "sabendo que seria preso, ainda assim saiu à rua." é reduzida de gerúndio, final.
FALSO
Em "Perdera o costume de fazer discurso" e "Está clato que eu não o deixo ir só para a corte" (M. Assis), as orações reduzidas desempenham, respectivamente, as funções de objeto indireto e sujeito.
FALSO
Em "Perdera o costume de fazer discurso" e "Está clato que eu não o deixo ir só para a corte" (M. Assis), as orações reduzidas desempenham, respectivamente, as funções de complemento nominal e sujeito.
FALSO
Em "Perdera o costume de fazer discurso" e "Está clato que eu não o deixo ir só para a corte" (M. Assis), as orações reduzidas desempenham, respectivamente, as funções de objeto indireto e objeto direto.
FALSO
Em "Perdera o costume de fazer discurso" e "Está clato que eu não o deixo ir só para a corte" (M. Assis), as orações reduzidas desempenham, respectivamente, as funções de complemento nominal e objeto direto.
VERDADEIRO
Em "Perdera o costume de fazer discurso" e "Está clato que eu não o deixo ir só para a corte" (M. Assis), as orações reduzidas desempenham, respectivamente, as funções de complemento nominal e objeto indireto.
FALSO
Em "Ao sentar-se à mesa, ao pegar no talher, ao abrir o guardanapo, vê-se que ele está fazendo um insigne favor ao dono da casa." (M. Assis), temos três orações reduzidas, que traduzem a idéia de causa.
FALSO
Em "Ao sentar-se à mesa, ao pegar no talher, ao abrir o guardanapo, vê-se que ele está fazendo um insigne favor ao dono da casa." (M. Assis), temos três orações reduzidas, que traduzem a idéia de condição.
FALSO
Em "Ao sentar-se à mesa, ao pegar no talher, ao abrir o guardanapo, vê-se que ele está fazendo um insigne favor ao dono da casa." (M. Assis), temos três orações reduzidas, que traduzem a idéia de tempo.
VERDADEIRO
Em "Ao sentar-se à mesa, ao pegar no talher, ao abrir o guardanapo, vê-se que ele está fazendo um insigne favor ao dono da casa." (M. Assis), temos três orações reduzidas, que traduzem a idéia de modo.
FALSO
Em "Ao sentar-se à mesa, ao pegar no talher, ao abrir o guardanapo, vê-se que ele está fazendo um insigne favor ao dono da casa." (M. Assis), temos três orações reduzidas, que traduzem a idéia de concessão.
FALSO
Em "Diga-me, Sr. Freitas, se me desse na cabeça ir à Europa, o senhor seria capaz de acompanhar-me?" (M. Assis), as orações reduzidas desempenham a função de sujeito e objeto direto.
FALSO
Em "Diga-me, Sr. Freitas, se me desse na cabeça ir à Europa, o senhor seria capaz de acompanhar-me?" (M. Assis), as orações reduzidas desempenham a função de objeto direto e objeto indireto.
FALSO
Em "Diga-me, Sr. Freitas, se me desse na cabeça ir à Europa, o senhor seria capaz de acompanhar-me?" (M. Assis), as orações reduzidas desempenham a função de sujeito e complemento nominal.
VERDADEIRO
Em "Diga-me, Sr. Freitas, se me desse na cabeça ir à Europa, o senhor seria capaz de acompanhar-me?" (M. Assis), as orações reduzidas desempenham a função de objeto direto e complemento nominal.
FALSO
Em "Diga-me, Sr. Freitas, se me desse na cabeça ir à Europa, o senhor seria capaz de acompanhar-me?" (M. Assis), as orações reduzidas desempenham a função de objeto indireto e complemento nominal.
FALSO
Em "Sabe-se que a uma pessoa que viveu toda a sua vida em um lugar custa-lhe muito acostumar-se em outro." (M. Assis), a oração reduzida é sujeito.
VERDADEIRO
Em "Sabe-se que a uma pessoa que viveu toda a sua vida em um lugar custa-lhe muito acostumar-se em outro." (M. Assis), a oração reduzida é objeto direto.
FALSO
Em "Sabe-se que a uma pessoa que viveu toda a sua vida em um lugar custa-lhe muito acostumar-se em outro." (M. Assis), a oração reduzida é objeto indireto.
FALSO
Em "Sabe-se que a uma pessoa que viveu toda a sua vida em um lugar custa-lhe muito acostumar-se em outro." (M. Assis), a oração reduzida é adjunto adnominal.
FALSO
Em "Sabe-se que a uma pessoa que viveu toda a sua vida em um lugar custa-lhe muito acostumar-se em outro." (M. Assis), a oração reduzida é complemento nominal.
FALSO
Em "Assim, não te custará vê-lo entrar na sala, lento, frio e superior." (M. Assis), a oração reduzida e o pronome "lo" são, respectivamente, sujeito e objeto direto.
FALSO
Em "Assim, não te custará vê-lo entrar na sala, lento, frio e superior." (M. Assis), a oração reduzida e o pronome "lo" são, respectivamente, objeto direto e objeto indireto.
FALSO
Em "Assim, não te custará vê-lo entrar na sala, lento, frio e superior." (M. Assis), a oração reduzida e o pronome "lo" são, respectivamente, objeto direto e sujeito.
FALSO
Em "Assim, não te custará vê-lo entrar na sala, lento, frio e superior." (M. Assis), a oração reduzida e o pronome "lo" são, respectivamente, objeto indireto e objeto direto.
VERDADEIRO
Em "Assim, não te custará vê-lo entrar na sala, lento, frio e superior." (M. Assis), a oração reduzida e o pronome "lo" são, respectivamente, sujeito e sujeito.
FALSO
Sabe-se que uma subordinada adjetiva se inicia por um pronome ou advérbio relativo, mas isso não ocorre em "Eu queria se um anjo para contar uma cantiga que faça você dormir."
FALSO

que = a qual
Sabe-se que uma subordinada adjetiva se inicia por um pronome ou advérbio relativo, mas isso não ocorre em "Vi surgir num sonho novo um belo perfil de criança a quem chamei, carinhosamente, de meu filho.
FALSO

que = qual
Sabe-se que uma subordinada adjetiva se inicia por um pronome ou advérbio relativo, mas isso não ocorre em "Mãe, nunca me mentiste! Tudo quanto me disseste era verdade."
FALSO

"quanto" é precedido por "tudo"
Sabe-se que uma subordinada adjetiva se inicia por um pronome ou advérbio relativo, mas isso não ocorre em "Ninguém aprecia o modo como aquela mulher agiu."
FALSO

"como" é precedido por "modo"
Sabe-se que uma subordinada adjetiva se inicia por um pronome ou advérbio relativo, mas isso não ocorre em "Todos perceberam como foi difícil encontrar a solução.
VERDADEIRO

"como" é advérbio relativo quando tiver antecedente, geralmente "meio", "modo" ou "maneira".
O pronome relativo não tem a função de objeto direto em "hoje eu quero a rosa mais linda que houver."
FALSO
O pronome relativo não tem a função de objeto direto em "Eu já nem sei se terei no olhar toda a ternura que eu quero lhe dar."
FALSO
O pronome relativo não tem a função de objeto direto em "Simplesmente as rosas exalam o perfume que roubam de ti."
FALSO
O pronome relativo não tem a função de objeto direto em "Vamos indo de carona na garupa leve do vento macio que vem caminhando, desde muito longe, lá no fim do mar."
VERDADEIRO
O pronome relativo não tem a função de objeto direto em "Mas não se se passando o que eu passo, talvez não lhe venha qualquer reação."
FALSO
Os termos "que" em
"Na hora em que eu ia indo
dormias tão descansada
respiração tão macia
Morena, nem parecia
Que a fronha estava molhada" (Paulo Vanzolini)
têm o mesmo valor morfológico.
FALSO
Os termos "que" em
"Na hora em que eu ia indo
dormias tão descansada
respiração tão macia
Morena, nem parecia
Que a fronha estava molhada" (Paulo Vanzolini)
desempenham a mesma função sintática.
FALSO
Os termos "que" em
"Na hora em que eu ia indo
dormias tão descansada
respiração tão macia
Morena, nem parecia
Que a fronha estava molhada" (Paulo Vanzolini)
O primeiro é pronome relativo na função de ajunto adverbial e o segundo é uma conjunção integrante, iniciando oração subordinada substantiva subjetiva.
VERDADEIRO
Os termos "que" em
"Na hora em que eu ia indo
dormias tão descansada
respiração tão macia
Morena, nem parecia
Que a fronha estava molhada" (Paulo Vanzolini)
O primeiro é pronome relativo na função de objeto indireto e o segundo é uma conjunção integrante, iniciando oração subordinada substantiva subjetiva.
FALSO
Os termos "que" em
"Na hora em que eu ia indo
dormias tão descansada
respiração tão macia
Morena, nem parecia
Que a fronha estava molhada" (Paulo Vanzolini)
O primeiro é um pronome relativo na função de ajunto adverbial e o segundo é uma conjunção integrante, iniciando oração subordinada substantiva objetiva direta.
FALSO
Leia as seguintes sentenças:
I - O caçador levantou a arma, prendeu a respiração e assentou a mira entre os olhos do leão, cuja juba vira, momentos antes, por sobre os arbustos.
II - O caçador levantou a arma, prendeu a respiração e assentou a mira entre os olhos do leão cuja juba vira, momentos antes, por sobre os arbustos.

De acordo com as alternativas acima, pode-se afirmar que havia, seguramente, um só leão em I e II.
FALSO
Leia as seguintes sentenças:
I - O caçador levantou a arma, prendeu a respiração e assentou a mira entre os olhos do leão, cuja juba vira, momentos antes, por sobre os arbustos.
II - O caçador levantou a arma, prendeu a respiração e assentou a mira entre os olhos do leão cuja juba vira, momentos antes, por sobre os arbustos.

De acordo com as alternativas acima, pode-se afirmar que em I e II havia mais leões, tendo o caçador optado por um deles.
FALSO
Leia as seguintes sentenças:
I - O caçador levantou a arma, prendeu a respiração e assentou a mira entre os olhos do leão, cuja juba vira, momentos antes, por sobre os arbustos.
II - O caçador levantou a arma, prendeu a respiração e assentou a mira entre os olhos do leão cuja juba vira, momentos antes, por sobre os arbustos.

De acordo com as alternativas acima, pode-se afirmar que em I havia um só leão; em II, mais leões.
VERDADEIRO
Leia as seguintes sentenças:
I - O caçador levantou a arma, prendeu a respiração e assentou a mira entre os olhos do leão, cuja juba vira, momentos antes, por sobre os arbustos.
II - O caçador levantou a arma, prendeu a respiração e assentou a mira entre os olhos do leão cuja juba vira, momentos antes, por sobre os arbustos.

De acordo com as alternativas acima, pode-se afirmar que em I havia mais de um leão; em II, apenas um.
FALSO
Leia as seguintes sentenças:
I - O caçador levantou a arma, prendeu a respiração e assentou a mira entre os olhos do leão, cuja juba vira, momentos antes, por sobre os arbustos.
II - O caçador levantou a arma, prendeu a respiração e assentou a mira entre os olhos do leão cuja juba vira, momentos antes, por sobre os arbustos.

De acordo com as alternativas acima, pode-se afirmar que é impossível determinar, em ambos os casos, se havia um ou mais leões.
FALSO
Em "Não soubemos dos filmes que não foram anunciados pelo jornal", o jornal não anunciou todos os filmes.
VERDADEIRO
Em "Não soubemos dos filmes que não foram anunciados pelo jornal", apenas alguns filmes foram anunciados pelo jornal.
VERDADEIRO
Em "Não soubemos dos filmes que não foram anunciados pelo jornal", nenhum filme foi anunciado pelo jornal.
FALSO
Em "Não soubemos dos filmes que não foram anunciados pelo jornal", tivemos conhecimento de alguns filmes, de outros não.
VERDADEIRO
Em "Não soubemos dos filmes, que não foram anunciados pelo jornal", o jornal não anunciou todos os filmes.
FALSO
Em "Não soubemos dos filmes, que não foram anunciados pelo jornal", todos os filmes foram anunciados pelo jornal
FALSO
Em "Não soubemos dos filmes, que não foram anunciados pelo jornal", nenhum filme foi anunciado pelo jornal.
VERDADEIRO
Em "Não soubemos dos filmes, que não foram anunciados pelo jornal", tivemos conhecimento de alguns filmes, de outros não.
FALSO
Em "Enquanto aguardava a condução que me transportaria de volta a casa, comecei a observar o que aconteceria ao meu redor.", podemos afirmar que o primeiro "que " é conjunção subordinativa, por isso o pronome "me" está proclítico ao verbo.
FALSO
Em "Enquanto aguardava a condução que me transportaria de volta a casa, comecei a observar o que aconteceria ao meu redor.", podemos afirmar que em "de volta a casa", o elemento "a" é artigo, não havendo crase por ausência de preposição.
FALSO
Em "Enquanto aguardava a condução que me transportaria de volta a casa, comecei a observar o que aconteceria ao meu redor.", podemos afirmar que em "observar o que aconteceria", "o" é pronome pessoal e complemento de um verbo transitivo direto.
FALSO
Em "Enquanto aguardava a condução que me transportaria de volta a casa, comecei a observar o que aconteceria ao meu redor.", podemos afirmar que "aguardava" está no singular porque concorda com seu sujeito, "a condução".
FALSO
Em "Enquanto aguardava a condução que me transportaria de volta a casa, comecei a observar o que aconteceria ao meu redor.", podemos afirmar que ambos os "quês" são pronomes trlativos e exercem a função de sujeito.
VERDADEIRO
O período a seguir contém uma oração subordinada explicativa e, por isso, deve ficar entre vírgulas: "A tia que tomou veneno e morreu logo após o casamento foi a Ofélia."
FALSO
O período a seguir contém uma oração subordinada explicativa e, por isso, deve ficar entre vírgulas: "A primeira imagem que tenho de mim é a de uma menina de avental azul."
FALSO
O período a seguir contém uma oração subordinada explicativa e, por isso, deve ficar entre vírgulas: "Os homens que eram mais maravilhosos ainda que as mulheres mostravam-se perfeitos."
VERDADEIRO
O período a seguir contém uma oração subordinada explicativa e, por isso, deve ficar entre vírgulas: "O álbum em que guardava todos os retratos da família estava sempre à mão."
FALSO
O período a seguir contém uma oração subordinada explicativa e, por isso, deve ficar entre vírgulas: "As ordens a que obedecia vinham de uma avó gentil."
FALSO
Na frase "Os erros que ele cometeu parece que se repetem de tal forma que nunca estará ao nosso alcance preveni-los", "os erroa" é o sujeito de "se repetem".
VERDADEIRO
Na frase "Os erros que ele cometeu parece que se repetem de tal forma que nunca estará ao nosso alcance preveni-los", "a oração "que se repetem de tal forma" é subordinada substantiva subjetiva.
VERDADEIRO
Na frase "Os erros que ele cometeu parece que se repetem de tal forma que nunca estará ao nosso alcance preveni-los", a oração "preveni-los" é reduzida de infinitivo.
VERDADEIRO
Na frase "Os erros que ele cometeu parece que se repetem de tal forma que nunca estará ao nosso alcance preveni-los", a forma verbal "estará" encontra-se no singular por tersujeito oracional.
VERDADEIRO
Na frase "Os erros que ele cometeu parece que se repetem de tal forma que nunca estará ao nosso alcance preveni-los", o pronome "los" constitui um pleonasmo.
FALSO
Em "O verdadeiro valor do cofre está no tesouro que guarda. Assim também com o nosso corpo que só vale pelas virtudes que encerra na alma que o anima", a palavra "que" tem a mesma classe gramatical, porém funções sintáticas diferentes com dois sujeitos e dois objetos diretos.
VERDADEIRO
Em "O verdadeiro valor do cofre está no tesouro que guarda. Assim também com o nosso corpo que só vale pelas virtudes que encerra na alma que o anima", a palavra "que" tem sempre a mesma classe gramatical e sempre a mesma função sintática.
FALSO
Em "O verdadeiro valor do cofre está no tesouro que guarda. Assim também com o nosso corpo que só vale pelas virtudes que encerra na alma que o anima", a palavra "que" tem classes gramaticais diferentes e funções sintáticas diferentes.
FALSO
Em "O verdadeiro valor do cofre está no tesouro que guarda. Assim também com o nosso corpo que só vale pelas virtudes que encerra na alma que o anima", a palavra "que" tem classes gramaticais deferentes e sempre a mesma função sintática.
FALSO
Em "O verdadeiro valor do cofre está no tesouro que guarda. Assim também com o nosso corpo que só vale pelas virtudes que encerra na alma que o anima", a palavra "que" tem mesma classe gramatical e mesma função sintática em três deles, apenas.
FALSO
A palavra "que" não exerce a mesma função sintática em "a saudade que ele teve da aurora de sia vida, da infância querida que os anos não trazem mais, temos agora" e "...o apartamento modesto que ela enche com o seu ingênio folgar".
FALSO
A palavra "que" não exerce a mesma função sintática em "a saudade que ele teve da aurora de sia vida, da infância querida que os anos não trazem mais, temos agora" e "...esta é a vida que Giselinha vive agora..."
FALSO
A palavra "que" não exerce a mesma função sintática em "a saudade que ele teve da aurora de sia vida, da infância querida que os anos não trazem mais, temos agora" e "....enchendo de tédio os dias que o poeta chamou de gloriosos".
FALSO
A palavra "que" não exerce a mesma função sintática em "a saudade que ele teve da aurora de sia vida, da infância querida que os anos não trazem mais, temos agora" e "...aqueles senhores que a maioridade tomou ignorantes"
FALSO
A palavra "que" não exerce a mesma função sintática em "a saudade que ele teve da aurora de sia vida, da infância querida que os anos não trazem mais, temos agora" e "ela insinuou esta bela imagem que agradava tanto aos responsáveis pelo evento".
VERDADEIRO
Dos conectivos em "sentara-se então num banco, apanhara aquela velha revista e começara a folheá-la, sem interesse, para fugir ao contato dessas pessoas que já o haviam excluído de seu mundo e que, desde alguns dias, raramente lhe dirigiam a palavra - com uma simplicidade afetada, esforçando-se para dar a entender que sua ausência não seria sentida", somente o "e" acumula em si os papéis de ligar orações e ser núcleo de uma função sintática na estrutura da oração introduzida.
FALSO
Dos conectivos em "sentara-se então num banco, apanhara aquela velha revista e começara a folheá-la, sem interesse, para fugir ao contato dessas pessoas que já o haviam excluído de seu mundo e que, desde alguns dias, raramente lhe dirigiam a palavra - com uma simplicidade afetada, esforçando-se para dar a entender que sua ausência não seria sentida", somente o primeiro "para" acumula em si os papéis de ligar orações e ser núcleo de uma função sintática na estrutura da oração introduzida.
FALSO
Dos conectivos em "sentara-se então num banco, apanhara aquela velha revista e começara a folheá-la, sem interesse, para fugir ao contato dessas pessoas que já o haviam excluído de seu mundo e que, desde alguns dias, raramente lhe dirigiam a palavra - com uma simplicidade afetada, esforçando-se para dar a entender que sua ausência não seria sentida", somente o primeiro "que" acumula em si os papéis de ligar orações e ser núcleo de uma função sintática na estrutura da oração introduzida.
FALSO
Dos conectivos em "sentara-se então num banco, apanhara aquela velha revista e começara a folheá-la, sem interesse, para fugir ao contato dessas pessoas que já o haviam excluído de seu mundo e que, desde alguns dias, raramente lhe dirigiam a palavra - com uma simplicidade afetada, esforçando-se para dar a entender que sua ausência não seria sentida", somente o segundo "para" acumula em si os papéis de ligar orações e ser núcleo de uma função sintática na estrutura da oração introduzida.
FALSO
Dos conectivos em "sentara-se então num banco, apanhara aquela velha revista e começara a folheá-la, sem interesse, para fugir ao contato dessas pessoas que já o haviam excluído de seu mundo e que, desde alguns dias, raramente lhe dirigiam a palavra - com uma simplicidade afetada, esforçando-se para dar a entender que sua ausência não seria sentida", somente o segundo "que" acumula em si os papéis de ligar orações e ser núcleo de uma função sintática na estrutura da oração introduzida.
VERDADEIRO
Está correta a seguinte frase: "Ao realizar uma prova, pensa bem nas respostas que darás, saia da sala somente depois de te certificares de que não esqueceste nada."
FALSO
Está correta a seguinte frase: "Ao realizardes uma prova, pensai bem nas respostas que dareis, saia da sala somente depois de te certificares de que não esquecestes nada."
FALSO
Está correta a seguinte frase: "Ao realizardes uma prova, pensai bem nas respostas que darás, sai da sala somente depois de vos certificardes de que não esquecestes nada."
FALSO
Está correta a seguinte frase: "Ao realizar uma prova, pensa bem nas respostas que dará, saia somente depois de se certificar de que não esqueceu nada."
FALSO
Está correta a seguinte frase: "Ao realizar uma prova, pense bem nas respostas que dará, saia somente depois de se certificar de que não esqueceu nada."
VERDADEIRO
O verbo "reaver" está correto em "É necessário que você reavenha aquele dinheiro."
FALSO
O verbo "reaver" está correto em "É necessário que você reaveja aquele dinheiro.
FALSO
O verbo "reaver" está correto em "É necessário que você reaja aquele dinheiro."
FALSO
O verbo "reaver" está correto em "É necessário que você reava aquele dinheiro."
FALSO
O verbo "reaver" está correto em "Seria necessári oque você reouvesse aquele dinheiro."
VERDADEIRO
Está correto "Não odeie teu semelhante."
FALSO
Está correto "Não odieis teus semelhantes."
FALSO
Está correto "Ama o seu próximo somo a si mesmo."
FALSO
Está correto "Ame a seu próximo como a si mesmo."
VERDADEIRO
Está correto "Ame a teu próximo como a si mesmo."
FALSO
Há somente uma forma verbal correta em "Vós todos, ouvi e crei no que vos digo."
FALSO
Há somente uma forma verbal correta em "Incendia essa turma com teu ardor."
FALSO
Há somente uma forma verbal correta em "Mas... e para se conterem depois?"
VERDADEIRO
Há somente uma forma verbal correta em "Se não se conterem... darei um jeito."
FALSO
Está correto: "Se você requisesse e o seu amigo intervisse, talvez você reavesse esses bens."
FALSO
Está correto: "Se você requeresse e o seu amigo intervisse, talvez você reavesse esses bens."
FALSO
Está correto: "Se você requeresse e o seu amigo interviesse, talvez você reouvesse esses bens."
VERDADEIRO
Está correto: "Se você requeresse e o seu amigo interviesse, talvez você reavesse esses bens."
FALSO
Está correto: "Se você requisesse e o seu amigo intervisse, talvez você reouvesse esses bens."
FALSO
Está correto: "Convenhamos que o período ficará mais elegante se transpormos os termos da oração e mantermos o sujeito oculto."
FALSO
Está correto: "convimos que o período ficará mais elegante se transpusermos os termos da oração e mantermos o sujeito oculto."
FALSO
Está correto: "Convimos que o período ficará mais elegante se transpormos os termos da oração e mantivermos o sujeito oculto."
FALSO
Está correto: "Convenhamos que o período ficará mais elegante se transpusermos os termos da oração e mantivermos o sujeito oculto."
VERDADEIRO
Está correto: "Convenhenha que o período ficará mais elegante se transpusermos os termos da oração e mantermos o sujeito oculto."
FALSO
Está correto: "Sobreviriam imprevistos que o deteram no interior e impediram que requeresse a tempo sua transferência."
FALSO
Está correto: "Sobreviram imprevistos que o detiveram no interior e impediram que requisesse a tempo sua transferência."
FALSO
Está correto: "Sobrevierem imprevistos que o deteram no interior e impediram que requisesse a tempo sua transferência."
FALSO
Está correto: "Sobrevieram imprevistos que o detiveram no interior e impediram que requeresse a tempo sua transferência."
VERDADEIRO
Está correto: "Sobreviram imprevistos que o detiveram no interior e impediram que requeresse a tempo sua transferência."
FALSO
"Ele ficará satisfeito, se eu falar." Substituindo nesse exemplo a palavra falar, respecivamente, por propor, rever, intervir, trazer, manter, o resultador será propuser, revir, intervir, trouxer, mantiver.
FALSO
"Ele ficará satisfeito, se eu falar." Substituindo nesse exemplo a palavra falar, respecivamente, por propor, rever, intervir, trazer, manter, o resultador será propuser, revir, intervier, trouxer, mantiver.
VERDADEIRO
"Ele ficará satisfeito, se eu falar." Substituindo nesse exemplo a palavra falar, respecivamente, por propor, rever, intervir, trazer, manter, o resultador será prpouser, rever, intervier, trazer, manter.
FALSO
"Ele ficará satisfeito, se eu falar." Substituindo nesse exemplo a palavra falar, respecivamente, por propor, rever, intervir, trazer, manter, o resultador será propor, rever, intervir, trouxer, mantiver.
FALSO
"Ele ficará satisfeito, se eu falar." Substituindo nesse exemplo a palavra falar, respecivamente, por propor, rever, intervir, trazer, manter, o resultador será propor, rever, intervir, trouxer, manter.
FALSO
Está correto: "Cumpre teus deveres e terás a consciência tranqüila."
VERDADEIRO
Está correto: "Suporta-se com paciência a cólica do próximo."
VERDADEIRO
Está correto: "Nada do que se possui com gosto se perde sem desconsolação."
VERDADEIRO
Está correto: "Não voltes atrás, pois é fraqueza desistir-se da coisa começada."
VERDADEIRO
Está correto: "Dizia Rui Barbosa: 'Fazer o que vos manda a consciência e não fazer o que vos convém aos apetites'".
FALSO
Está correta a frase "Você interveio a tempo."
VERDADEIRO
Está correta a frase "Até ontem eles não tinham sido presos."
VERDADEIRO
Está correta a frase "Creio que já se proviu de roupas."
FALSO
Está correta a frase "Vimos freqüentemente, porque assim nos pedes."
VERDADEIRO
Está correta a frase "Felizmente, já reouve parte do dinheiro."
VERDADEIRO
Está correta a frase "Não se entrevêm dias melhores, os problemas de ordem econôpmica vem preocupando muitas pessoas: conclue-se que as dificuldades não são problema para poucos."
FALSO
Está correta a frase "Não se entrevêem dias melhores, os problemas de ordem econôpmica vêem preocupando muitas pessoas: conclui-se que as dificuldades não são problema para poucos."
FALSO
Está correta a frase "Não se entrevêm dias melhores, os problemas de ordem econôpmica vêem preocupando muitas pessoas: concluie-se que as dificuldades não são problema para poucos."
FALSO
Está correta a frase "Não se entrevêem dias melhores, os problemas de ordem econôpmica vêm preocupando muitas pessoas: conclui-se que as dificuldades não são problema para poucos."
VERDADEIRO
Está correta a frase "Não se entrevêem dias melhores, os problemas de ordem econôpmica vêm preocupando muitas pessoas: conclue-se que as dificuldades não são problema para poucos."
FALSO
Está correta a frase "Se vocês se disporem a ajudar-nos, dêm opinião quanto à possibilidade de reporem as aulas até o fim do ano."
FALSO
Está correta a frase "Se vocês se disporem a ajudar-nos, dêem opinião quanto à possibilidade de reporem as aulas até o fim do ano."
FALSO
Está correta a frase "Se vocês se dispuserem a ajudar-nos, dêem opinião quanto à possibilidade de reporem as aulas até o fim do ano."
VERDADEIRO
Está correta a frase "Se vocês se disporem a ajudar-nos, dêem opinião quanto à possibilidade de repuserem as aulas até o fim do ano."
FALSO
Está correta a frase "Se vocês se dispuserem a ajudar-nos, dêm opinião quanto à possibilidade de repuserem as aulas até o fim do ano."
FALSO
Está correta a frase "O soldado interveio na discussão."
VERDADEIRO
Está correta a frase "Após muito esforço, a menina reouve o livro."
VERDADEIRO
Está correta a frase "Se ele vir isto, ficará possesso."
VERDADEIRO
Está correta a frase "Se ela vier aqui, avise-a da festa."
VERDADEIRO
Está correta a frase "As mulheres detiveram o assaltante."
VERDADEIRO
Está correta a frase "O soldado interviu na discussão."
FALSO
Está correta a frase "Após muito esforço, a menina rehouve o livreo"
FALSO
Está correta a frase "Se ele ver isto, ficará possesso."
FALSO
Está correta a frase "Se ela vir aqui, avise-a da festa."
FALSO
Está correta a frase "As mulheres deteram o assaltante."
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase "O prédio havia sido todo revestido de mármore", obtém-se a forma verbal "revestiram".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase "O prédio havia sido todo revestido de mármore", obtém-se a forma verbal "revestiram-se".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase "O prédio havia sido todo revestido de mármore", obtém-se a forma verbal "foram revestidos".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase "O prédio havia sido todo revestido de mármore", obtém-se a forma verbal "tinham sido revestidos".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase "O prédio havia sido todo revestido de mármore", obtém-se a forma verbal "haviam revestido".
VERDADEIRO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Nesta casa, vendem material de construção por bom preço", obtém-se a forma verbal "vendeu-se".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Nesta casa, vendem material de construção por bom preço", obtém-se a forma verbal "foi vendido".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Nesta casa, vendem material de construção por bom preço", obtém-se a forma verbal "é vendido".
VERDADEIRO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Nesta casa, vendem material de construção por bom preço", obtém-se a forma verbal "vendem-se".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Nesta casa, vendem material de construção por bom preço", obtém-se a forma verbal "venderam-se".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Quase sempre se aplicavam novos textos", obtém-se a forma verbal "aplicar-se-iam".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Quase sempre se aplicavam novos textos", obtém-se a forma verbal "aplicariam".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Quase sempre se aplicavam novos textos", obtém-se a forma verbal "aplicavam".
VERDADEIRO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Quase sempre se aplicavam novos textos", obtém-se a forma verbal "seriam aplicados".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Quase sempre se aplicavam novos textos", obtém-se a forma verbal "eram aplicados".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a oração: "Haviam soltado todos os pássaros do viveiro", obtém-se a forma verbal "haviam de ser soltos".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a oração: "Haviam soltado todos os pássaros do viveiro", obtém-se a forma verbal "haviam sido soltos".
VERDADEIRO
Transpondo para a voz passiva a oração: "Haviam soltado todos os pássaros do viveiro", obtém-se a forma verbal "soltara-se".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a oração: "Haviam soltado todos os pássaros do viveiro", obtém-se a forma verbal "estavam sendo soltos".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a oração: "Haviam soltado todos os pássaros do viveiro", obtém-se a forma verbal "estavam soltando".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a oração: "O tempo foi gastando o tecido daquelas velhas roupas", obtém-se a forma verbal "estava sendo gasto".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a oração: "O tempo foi gastando o tecido daquelas velhas roupas", obtém-se a forma verbal "era gasto".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a oração: "O tempo foi gastando o tecido daquelas velhas roupas", obtém-se a forma verbal "acabaram sendo gastos".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a oração: "O tempo foi gastando o tecido daquelas velhas roupas", obtém-se a forma verbal "foi sendo gasto".
VERDADEIRO
Transpondo para a voz passiva a oração: "O tempo foi gastando o tecido daquelas velhas roupas", obtém-se a forma verbal "foram sendo gastos".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Os projetos estavam sendo revistos por um grupo de arquitetos" obtém-se a forma verbal "seriam revistos".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Os projetos estavam sendo revistos por um grupo de arquitetos" obtém-se a forma verbal "estão a rever".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Os projetos estavam sendo revistos por um grupo de arquitetos" obtém-se a forma verbal "estava revendo".
VERDADEIRO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Os projetos estavam sendo revistos por um grupo de arquitetos" obtém-se a forma verbal "devem rever".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Os projetos estavam sendo revistos por um grupo de arquitetos" obtém-se a forma verbal "iam revendo".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "O filme ia ser dirigido por um cineasta ainda desconhecido", obtém-se a forma verbal "dirigirá".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "O filme ia ser dirigido por um cineasta ainda desconhecido", obtém-se a forma verbal "dirigir-se-á".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "O filme ia ser dirigido por um cineasta ainda desconhecido", obtém-se a forma verbal "vai dirigir".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "O filme ia ser dirigido por um cineasta ainda desconhecido", obtém-se a forma verbal "ia dirigir".
VERDADEIRO
Transpondo para a voz ativa a frase: "O filme ia ser dirigido por um cineasta ainda desconhecido", obtém-se a forma verbal "será dirigido".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Os mutuários devem continuar a seguir essa orientação", obtém-se a forma verbal "deve continuar a ser seguida".
VERDADEIRO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Os mutuários devem continuar a seguir essa orientação", obtém-se a forma verbal "deve ser continuada a seguida".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Os mutuários devem continuar a seguir essa orientação", obtém-se a forma verbal "deve ser continuada a ser seguida".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Os mutuários devem continuar a seguir essa orientação", obtém-se a forma verbal "é devida continuar a seguir".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Os mutuários devem continuar a seguir essa orientação", obtém-se a forma verbal "é devida ser continuada a seguir".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Haveriam de comprar ainda um trator maior", obtém-se a forma verbal "comprariam".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Haveriam de comprar ainda um trator maior", obtém-se a forma verbal "comprar-se-ia".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Haveriam de comprar ainda um trator maior", obtém-se a forma verbal "teria sido comprado".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Haveriam de comprar ainda um trator maior", obtém-se a forma verbal "ter-se-ia comprado".
FALSO
Transpondo para a voz passiva a frase: "Haveriam de comprar ainda um trator maior", obtém-se a forma verbal "haveria de ser comprado".
VERDADEIRO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Solicita-se a atencção de V.Sª para um dado importante", obtém-se a forma verbal "é solicitado".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Solicita-se a atencção de V.Sª para um dado importante", obtém-se a forma verbal "solicitam".
VERDADEIRO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Solicita-se a atencção de V.Sª para um dado importante", obtém-se a forma verbal "foi solicitada".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Solicita-se a atencção de V.Sª para um dado importante", obtém-se a forma verbal "solicitaram".
FALSO
Transpondo para a voz ativa a frase: "Solicita-se a atencção de V.Sª para um dado importante", obtém-se a forma verbal "solicitou-se".
FALSO
FALSO
Considerando as exigências da norma culta escrita, a substituição de "A" (l.1) por "Na" mantém a correção gramatical e as relações de sentido do texto.
VERDADEIRO
O trecho "quando descreve" (l.1-2) pode ser substituído por "ao descrever", sem prejuízo para a correção do período.
FALSO
O pronome "se" (l.3), nas duas ocorrências, indica voz reflexiva.
VERDADEIRO
A substituição de "à" (l.6) por "para a" manteria a correção gramatical e a coerência do período.
VERDADEIRO
MAntida entre vírgulas, a expressão "em sua aplicação" (l.7) pode, sem prejuízo ára a correção do período, ser deslocada para imediatamente após "deixe" (l.7).
FALSO
Nas relações de sentido, as formas verbais "causa" (l.1), "repercute" (l.2), "multiplica" (l.3) e "Incumbe" (l.3) têm um mesmo agente.
VERDADEIRO
Sem prejuízo para a correção do período, a oração "Incumbe ao legislador" (l.3) pode ser deslocada para depois do termo "contratado" (l.9), desde que feitas as devidas adaptações de pontuação e maiúsculas.
FALSO
Substituindo-se "Incumbe" (l.3) por "É incumbência", sem outras transformações, mantém-se a correção gramatical do texto.
FALSO
No texto, a palavra "objetivos" (l.4) é substantivo e significa "propósitos", "intuitos", "finalidades".
VERDADEIRO
Sem alteração do sentido original ou prejuízo para a correção gramatical do texto, a locução "a fim de" (l.7) pode ser substituída por qualquer uma das seguintes formas: "para", "com o objetivo de ", "com o intuito de", "com o propósito de".
VERDADEIRO
A correção gramatical do período e as relações de sentido mantêm-se caso a expressão "em torno do que" (l.8) seja substituída por "em torno daquilo que".
FALSO
O trecho "Segundo a" (l.1) pode, sem alteração das informações originais do texto e sem prejuízo para a correção gramatical do período, ser substituído por qualquer um dos seguintes termos: "De acordo com a", "Conforme a", "Em concordância a", "Consoante à".
FALSO
O emprego do sinal indicativo de crase em "apegada a antigos" (l.3) é opcional.
FALSO
Em "ganham menos que os homens" (l.4), seria incorreto inserir "do" imediatamente após "menos".
VERDADEIRO
A colocação da preposição "de" no lugar de "das" em "No caso das trabalhadoras" (l.6) mantém a correção gramatical do período.
VERDADEIRO
A substituição de "em" (l.8) por "de" mantém a correção gramatical e o sentido original do período.
VERDADEIRO
Na linha 1, os vocábulabulos "origem" e "violência" são substantivos abstratos.
VERDADEIRO
O termo "Caim" (l.2) está grafado com inicial maiúscula porque é substantivo próprio.
VERDADEIRO
Os vocábulos "catapultada" (l.4), "político-administrativa" (l.5), "racionalidade" (l.7) e "readequada" (l.11) são adjetivos derivados de substantivos.
FALSO

Formas nominais: infinitivo, gerúncio e particípio.
No texto, "fazer" (l.2), "reduzida" (l.8) e "fornecendo" (l.9) são verbos empregados em formas nominais.
VERDADEIRO
As formas "antiqüíssima" (l.1), "melhor" (l.6) e "melhores" (l.12) são decorrentes da flexão em grau dos seguintes adjetivos: a primeira, de "antigo"; as demais, de "bom"